Revoltas Liberais de 1842: o Combate da Venda Grande

Liberal Brazilian Revolts (1842): the Venda Grande Battle (Campinas, SP).

Reinaldo Camargo Rigitano – professor de química na UNICAMP. Secretário do Centro de Ciências, Letras e Artes.

Há 7 de junho de 1842, aconteceu em Campinas um momento agudo, e por isso mesmo emblemático, da evolução política do Brasil: um combate armado dos insurgentes da Província de São Paulo contra as forças da capital Rio de Janeiro, que para cá foram enviadas. Morreram no episódio 17 insurgentes e 2 soldados imperiais. Os 19 corpos foram transferidos à cidade, esta que, justamente naqueles meses, fora elevada de Vila de São Carlos para Cidade de Campinas.

Junto à Capela próxima ao local onde repousa o monumento, existe uma placa com os dizeres: Vós que aqui estais rezando, lembrai-vos de nós, dezessete bravos revoltosos que, numa tarde de junho, neste local do Engenho da Lagoa, morremos por um ideal. Combate da Venda Grande, Revolução Liberal de 1842.

A Fazenda da Lagoa pertencera a Teodoro Ferraz Leite, então já falecido, e inventariante do patrimônio era seu genro Luciano Teixeira Nogueira, deputado pela província de São Paulo. O então muito jovem imperador D. Pedro II alcançara formalmente a maioridade em 1840, aos quatorze anos e sete meses de idade. Dois partidos políticos haviam se formado: o Conservador e o Liberal, e disputavam as posições de governo.

Em 1841 governava o Conservador. Nas eleições gerais venceram os liberais, mas estas foram impugnadas e anuladas sob demonstrações de fraude. O Partido Liberal viu-se alijado do poder em todo o país. São Paulo e Minas se insurgiram contra o Império. Em São Paulo o movimento foi estruturado pelo Padre Diogo Feijó, paulistano que exercera docência e sacerdócio em Guaratinguetá e em Campinas, fundador do Partido Liberal, e que fora regente do Império; por Nicolau Vergueiro, ex-regente, deputado e senador por São Paulo e Minas, ex-ministro do Império (e voltaria a sê-lo); Antônio Manoel Teixeira, fazendeiro em Campinas, ex-prefeito da então Vila de São Carlos; Luciano Teixeira Nogueira, deputado pela província, proprietário da Fazenda Chapadão; o Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, deputado e ex-presidente da Província de São Paulo, fundador da nossa Polícia Militar; major Francisco Galvão de Barros França no comando militar dos rebeldes; Capitão Boaventura do Amaral, de Itú, a quem coube estruturar a incipiente organização militar em Campinas, morreu no Combate da Venda Grande; os trabalhos de imprensa foram feitos por Hércules Florence, francês radicado em Campinas, inventor da fotografia.

Em Minas Gerais o movimento foi liderado por Teófilo Otoni, homem de grande disposição e iniciativa. A cidade de Sorocaba, em São Paulo, foi aclamada como capital provisória da província. Então, no Rio de Janeiro, sob deliberação do Ministro da Guerra José Clemente Pereira, foi atribuída ao Brigadeiro Luís Alves de Lima e Silva, Barão de Caxias, a chefia de novecentos homens que adentraram à província, a partir dos portos de São Sebastião, para o vale do Paraíba, e de Santos, até a capital São Paulo.

No caminho de São Paulo a Campinas aqui abordaram, em surpresa, os liberais aquartelados no armazém ou paiol da Fazenda da Lagoa, conhecido como Venda Grande.

Ordem de prisão! Responderam com fogo. 19 mortos. Na liderança da resistência morreu Boaventura do Amaral.

Este evento insere-se no conjunto de insurreições provinciais no Brasil. Comecemos a partir da independência do Brasil. A primeira iniciativa política contrária ao regime político após a Independência, em 1822, foi a Confederação do Equador (1824), em Pernambuco, ainda no Primeiro Reinado, com adesão das províncias do Ceará, do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Esta foi, por outro lado, a única sublevação declaradamente separatista; todas as demais almejaram de fato uma influência forte sobre o governo. A insurreição em Pernambuco foi dominada por 1.200 homens do poder central, sob o comando do Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, futuro regente do Império, pai de Luís Alves, futuro Duque de Caxias.

Naquele episódio, um dos líderes foi o religioso Frei Caneca, jornalista inflamado, finalmente condenado à forca. Os carrascos se recusaram a executar. Com ordem de fuzilamento um militar do pelotão desfaleceu. O frade findou por ser executado, mas o evento teve repercussão nacional e comoveu o povo, negativamente para o prestígio do então imperador D. Pedro I.

Em 1835, com uma mudança na Constituição, chamada de Ato Adicional, a Regência passou a ser única, com eleição vencida pelo Padre Feijó. Eclodem então, ao mesmo tempo, no Pará a Cabanagem, pelos cabanos, gente simples, liderados por Bernardo de Souza, que se apoderaram da capital da província; e no Rio Grande do Sul a Guerra dos Farrapos, ou Farroupilha, a revolução mais longa da História do Brasil, sangrenta, que durou dez anos. A Cabanagem foi vencida por grandes reforços provenientes do Rio de Janeiro, sob o comando do Brigadeiro Francisco de Andreia. Mas a Regência não teve, naquele momento, recursos para ao mesmo tempo dar conta do levante gaúcho, no extremo oposto da costa, e o conflito lá se prolongou.

Eclode em 1837 a Sabinada na Bahia, com chefia do médico Francisco Sabino, que se apodera da cidade de Salvador. Conta-se que a cidade foi retomada com cerco por mar e terra pelas forças governamentais, em episódios violentos, e morte de mais de mil pessoas. A Balaiada no Maranhão aconteceu sob chefia de Raimundo Gomes, de Manuel Balaio e do negro Cosme Bento, na região da cidade de Caxias, junto à fronteira do atual Piauí; um levante desorganizado, conturbado por crimes de toda sorte, porém fortemente popular. Para combatê-lo foi enviado o Coronel Luís Alves de Lima e Silva, que habilmente controlou progressivamente a revolta, com propostas de acordo e anistia que se mostraram eficazes. Pelos serviços prestados Luís Alves recebeu do Imperador o título de Barão de Caxias. Em Caxias, Maranhão, existe hoje erigido o Memorial da Balaiada.

São Paulo, em 1842. O Ministro da Guerra, José Clemente Pereira, encarrega o Barão de Caxias a dirigir-se à província com 900 homens e dar combate aos paulistas. Escaramuças aconteceram em Campinas, Venda Grande, 19 mortos, e no Vale do Paraíba, Vila de Silveiras, onde revoltosos despreparados avançam sobre a tropa. Resultado: 48 revoltosos e 8 soldados mortos.

venda grande 2

Em Minas Gerais o movimento foi dominado em Santa Luzia, hoje região metropolitana de Belo Horizonte. Teófilo Otoni foi preso. O Padre Feijó foi preso em Sorocaba. Tobias de Aguiar foi preso no interior.

No Rio Grande do Sul a Farroupilha prosseguia, liderada por Bento Gonçalves; Os insurgentes haviam fundado a República Rio-Grandense. O movimento invadira ainda a Província de Santa Catarina, sob liderança do italiano Giuseppe Garibaldi, onde fundaram outra república, chamada Juliana, que durou quatro meses.

Ainda em 1842, o Barão de Caxias foi encarregado de pacificar o Sul. As forças legais derrotam os Farrapos na batalha de Poncho Verde, em 1843. Em março de 1845 foi assinado o tratado que pôs fim à longa guerra. Diz-se que a atuação de Luís Alves de Lima e Silva foi tão nobre, e correta para com os oponentes, que a província, novamente unificada, o indicou para senador. O império, reconhecido, outorgou-lhe o título de Conde de Caxias (seria mais tarde Marquês e Duque).

Nesse ínterim havia sucedido algo próprio da nossa cultura, e herdada da portuguesa: a tolerância, seguida de retomada com perseverança: Anistia Geral em 1844. Tobias de Aguiar, Teófilo Otoni e outros foram beneficiados.

Em 1846 vem o imperador D. Pedro II a Campinas, pela primeira vez. Era um rapaz de 21 anos de idade. Porém rodeado de políticos experientes. A figura do Imperador foi fundamental para a unidade da Nação.

Há que se se dar conta do propósito constante na mente daqueles homens que consolidaram regiões tão distantes e peculiares em um único país. Fatores propiciaram a unidade, tais como o acesso por mar, apesar de imensa costa, e o relevo relativamente acessível. Mas, o pensamento convergente de políticos na capital Rio de Janeiro, homens como Araújo Lima, Regente, José Clemente Pereira, Ministro da Guerra, Aureliano Coutinho, Ministro da Justiça, Paulo Barbosa, administrador da Casa Imperial, o próprio Luís Alves de Lima e Silva, e outros, colaboraram para estruturar o Brasil de hoje.

D. Pedro II – órfão da mãe com 1 ano de idade, privado do pai aos 5 anos de idade – foi homem que desenvolveu por conta própria um espírito de amor à arte, à ciência e à justiça, que alcançou o respeito do mundo. Ele foi exemplo maior aos brasileiros e deve ser eternamente amado.

Luciano Teixeira Nogueira, o inventariante da Fazenda da Lagoa, foi proprietário herdeiro da Fazenda Chapadão. A Fazenda foi vendida anos depois, passou por diferentes proprietários e herdeiros, inclusive o Barão de Itapura. Foi adquirida pelo Exército em 1942. A sede, construída pelo pai de Luciano, serve até hoje ao Comando da 11.ª Brigada de Infantaria Leve.

Referência:

O presente artigo foi editado do discurso original do autor, proferido no dia 7/6/2019, em frente ao Monumento localizado no atual Bairro dos Amarais, como atividade cívica promovida pelo Centro de Ciências, Letras e Artes de Campinas (CCLA).

2 comentários

  1. Aos amigos do IHGGC, obrigado pela divulgação. Reinaldo Camargo Rigitano, professor (aposentado) do Instituto de FÍSICA ‘Gleb Wataghin’ da Unicamp.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s