O imigrante e a empresa familiar – parte final

THE IMMIGRANT AND FAMILY BUSINESS: FINAL

Fernando Antonio Abrahão – historiador, pesquisador. Titular da Cadeira 11 do IHGG Campinas.

Continuação da edição anterior.

As sucessões: momentos de crise ou de crescimento?

Os casos de sucessão empresarial das empresas alimentícias Sadia e Perdigão – ambas originárias do estado de Santa Catarina – foram estudados pelo economista Armando Dalla Costa. Segundo ele, a Sadia (fundada em 1944) caracterizou-se por expandir atividades no maior mercado consumidor do país, São Paulo, por diversificar seus produtos, ampliar sua capacidade produtiva e atualizar seu parque industrial. Com isso, a família manteve o controle da empresa por mais tempo. Por sua vez, a Perdigão (fundada em 1934) permaneceu no local e só foi adquirir empresas fora de Santa Catarina a partir de 1985, estratégia que resultou na venda da empresa antes da passagem da segunda para a terceira geração. (COSTA, p. 205-226).

Dalla Costa baseou-se no Modelo de Três Círculos da empresa familiar (GERSICK et al, 1998), usado para definir os papéis dos indivíduos e compreender os conflitos, dilemas, prioridades e limites dessas firmas.

Modelo3C

Modelo de Três Círculos. Gersick et al, p. 6.

O modelo descreve o sistema da empresa familiar composto de três subsistemas independentes, mas sobrepostos: a Família, a Propriedade e a Gestão. Os membros da família se inserem no círculo da esquerda, 1; o(s) proprietário(s), sócios ou acionistas pertence(m) ao círculo superior, 2; os funcionários posicionam-se no círculo da esquerda, 3. Qualquer pessoa também pode pertencer a um dos quatro setores formados pela sobreposição dos círculos: chamados de setores 4, 5, 6 e 7. O familiar que é proprietário mas não trabalha na empresa pertence ao setor 4, formado na sobreposição dos círculos da Propriedade e da Família. O proprietário que trabalha na empresa, mas não é da família pertence ao setor 5, na sobreposição dos círculos de Propriedade e da Gestão. O familiar que não é proprietário, mas trabalha na empresa, pertence ao 6, na sobreposição dos círculos da Família e da Gestão. O elemento que é membro da família, tem ações ou cotas e trabalha na empresa pertence ao setor 7, formado na sobreposição dos três círculos.

O resultado cumulativo do progresso do Modelo de Três Círculos ao longo do tempo resulta no Modelo Tridimensional de Desenvolvimento da Empresa. Cada subsistema – Propriedade, Família e Gestão – registra uma dimensão de desenvolvimento, uma sequência específica de estágios cujos processos acabam por influenciar uns aos outros, ainda que independentes entre si.

circ3

Na dimensão Propriedade temos, no estágio inicial, a figura do Proprietário-controlador. No momento em que este distribui suas cotas aos filhos, as empresas entram na fase de Sociedade entre Irmãos. Por sua vez, quando estes distribuem suas cotas aos filhos configura-se a fase do Consórcio de Primos.

A dimensão relativa à Família capta o desenvolvimento estrutural e interpessoal por meio de aspectos como casamento, paternidade e relacionamentos entre irmãos adultos, cunhados/as e sogros/as. No estágio inicial, Jovem Família Empresária, as atribuições de cada indivíduo estão por ser definidas, mas o papel de dirigente já está bem claro. No estágio seguinte, Entrada na Empresa, a família deve promover a inserção da próxima geração no negócio, estabelecendo critérios e planejando carreiras, justamente para a ligação ideal com o próximo estágio, do Trabalho Conjunto, este fundamental para o dirigente abastecer-se de informações fundamentais para escolher a quem deve “passar o bastão”.

A terceira dimensão descreve o Desenvolvimento da empresa. O Início abrange a fundação e os primeiros anos de funcionamento. No segundo estágio, Expansão/Formalização, estão as empresas que se estabelecem no mercado e desenvolvem movimentos crescentes até estabilizarem-se. O último estágio, Maturidade, tem raízes na avaliação de mercado e ocorre quando um produto ou uma marca deixa de evoluir e suas expectativas de crescimento tornam-se modestas. Este estágio oferece duas saídas para a continuidade da empresa familiar: renovação e reciclagem, ou a morte. Vejamos os caminhos tomados pelas empresas aqui estudas.

No Frango Assado, o estágio da Sociedade entre Irmãos (2ª geração) foi se conformando a partir de 1956 e estendeu-se até 1969, quando a empresa decidiu ampliar o antigo prédio e diversificar os serviços. Antes meros ajudantes de José e Rosa Mamprin, três netos pediram a direção da empresa. Para eles, a continuidade e a expansão da empresa dependia da ampliação das dependências, como demonstrava a concorrência. Contratou-se uma consultoria para essa passagem. Em linhas gerais definiu-se: a) reorganização funcional; b) reorganização administrativa; c) planejamento financeiro; d) integração com negócios coligados.

A consultoria finalmente colocou a direção da empresa nas mãos do Consórcio de Primos (3ª geração), mas há indicações claras da necessidade dos avais dos pais e do avô para investimentos. Em 1974 a nova direção inaugurou as reformas de modernização da sede. Uma negociação com a Petrobrás, em 1975, substituiu a antiga “bandeira” do posto de combustíveis (Atlantic) e angariou a exploração de um ponto comercial na recém-inaugurada rodovia dos Imigrantes, onde se fundou a 1a filial. Em 1977, a empresa estabeleceu a 2ª filial em Jacareí (SP), na rodovia Presidente Dutra. Essa expansão continuou até o fim da década de 1980, especialmente com a implantação da Indústria de Doces Figobom, sediada na antiga propriedade rural da família, e o Hotel Fonte Santa Tereza, também em Valinhos.

Em 1989 a empresa contratou nova consultoria para promover a transição para a próxima geração. Durante o processo de adequação societária foi criada a Cozinha Central, em 1990. A unificação da transformação de alimentos fez a empresa ganhar em produtividade e competitividade: padronizou-se cardápios e produtos, concentrou-se gastos, redimensionou-se espaços nas lojas, dentre outros itens de custeio.

Já presente nas principais estradas paulistas, a marca Frango Assado despertou interesses de investidores no lucrativo mercado de alimentos e serviços, justamente quando o governo estadual ampliava e modernizava nossas principais rodovias para concedê-las à administração privada.

Ainda em 1996, o Consórcio de Primos criou a Frango Assado Participações S/A (FASPAR), para levar ao debate dos demais familiares as conquistas e os percalços dos antepassados, como forma de engajar a 4ª geração. Todavia, em outubro de 2008, após inaugurar a 12ª filial, a FASPAR decidiu ceder a marca Frango Assado e as operações de suas lojas para um grupo econômico formado por investidores estrangeiros.

No caso do EMS, a década de 1980 marcou a expansão da pequena indústria de medicamentos do ABC Paulista com a aquisição do Laboratório Doria, em Hortolândia (SP), distante cerca de 21 quilômetros de Campinas. Nessa época, Campinas já liderava um polo econômico capaz de evidenciar a crescente interiorização industrial paulista.

Emiliano Sanches queria posicionar a empresa no mercado de medicamentos éticos, como são conhecidos os remédios comercializados com base em receituários médicos. Porém adoeceu e o prognóstico da doença o fez iniciar, em 1986, o processo de sucessão. Ele reuniu os diretores (familiares próximos) e criou um conselho para dirigir a empresa enquanto preparava os filhos Carlos e Nancy.

Carlos Sanches assumiu a direção da empresa em um dos períodos mais turbulentos da economia brasileira, a transição do governo José Sarney para o de Fernando Collor de Mello (1989-1990), onde havia inflação em torno de 80% ao mês, descontrole das contas do governo, congelamento de preços e bloqueio do capital de pessoas físicas e jurídicas aplicados no sistema bancário, o fatídico Plano Collor.

Vencida essa etapa crucial da economia brasileira o EMS adquiriu os Laboratórios Legrand e Novaquímica e, assim, realizou o sonho do fundador. Agora, com produtos de classe ética em catálogo, a empresa pode participar das concorrências promovidas pelo governo federal a fim de atingir-se a meta social de oferecer medicamentos para a população carente. Decerto, as diretrizes do Plano Real (1994) frearam a corrupção e o desperdício que imperavam na Central de Medicamentos do Governo Federal (CEME), criada na ditadura militar, e revigoraram a produção nacional (NEGRI, 2002, p.7-9).

Diante da crescente produção, a unidade fabril de São Bernardo do Campo chegou ao limite. No entanto, a unidade de Hortolândia vislumbrava enorme potencial. Assim, a empresa investiu na construção da nova sede e em maio de 1999 transferiu a administração e a maior parte da produção para Hortolândia.

A indústria farmacêutica nacional preparava-se para adentrar ao século 21 com impulso aos medicamentos similares. A renovação da legislação nacional envolveu debates políticos sobre pesquisa e desenvolvimento, quebra de patentes, venda e distribuição, propaganda e marketing. Finalmente, a 10/2/1999, a Lei Federal Nº 9.787 instituiu a produção e o comércio do medicamento genérico no país, de acordo com as normas internacionais adotadas pela Comunidade Europeia, Estados Unidos da América e Canadá, com respaldo da Organização Mundial da Saúde (OMS). As industrias passaram a produzir e comercializar e distribuir os medicamentos genéricos, desde que comprovadas as propriedades de bioequivalência e biodisponibilidade do medicamento de referência, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), além de vencido o prazo de 20 anos de exclusividade de produção e comércio garantidos ao laboratório inovador. Não tardou para que os medicamentos genéricos tomassem as prateleiras das farmácias do Brasil e o EMS se tornasse uma das maiores indústrias farmacêuticas de capital nacional.

Considerações finais

A venda ou cessão no momento de sucessão pode ser vista como o momento de fracasso da empresa familiar. Nessa fase, lembre-se, são necessárias novas estratégias de crescimento, pois, caso contrário, restará aos proprietários desfazerem-se da empresa. A opção pela venda da marca e das operações da Rede Frango Assado, no auge econômico, revela o desejo de um número cada vez maior de proprietários a dispor de suas cotas para iniciar ou capitalizar negócios próprios e independentes. O plano de passagem para a 4ª geração falhou porque os rendimentos tendem a diminuir quando o número de cotistas aumenta e as decisões de expansão tornam-se desgastantes. Esse caso também é emblemático por revelar a importância das consultorias na melhora da administração, na preservação das tradições e dos significados do trabalho familiar, características que levaram a empresa ao amadurecimento coeso, ao sucesso da marca e à liderança no mercado de prestação de serviços nas rodovias paulistas. Além de adquirirem o processo lucrativo de uma empresa familiar, espera-se que os investidores entendam a importância manter-se a tradição de marca por todo o complexo processo social que a criou, a fez crescer e a ser recordada por gerações de clientes.

Assim como a Farmácia original, o EMS foi instituído como uma sociedade por cotas de responsabilidade limitada entre Emiliano Sanchez e sua esposa Ana Defillo. Após 40 anos e diante das perspectivas do mercado global de medicamentos, alterou-se a razão social para uma S/A, em 2004. Como ocorre com quase todas as empresas do gênero, a trajetória do negócio se confunde com a da família. Sabe-se que a empresa foi constituída com iniciativa, criatividade e arrojo empresarial dos fundadores e sucessores, como também com o trabalho de pais, primos, irmãos e tios e com aconselhamentos de profissionais. Diferentemente do caso da rede de restaurantes, neste não se havia alcançado a terceira geração até o fim do presente estudo. No entanto, percebemos movimentações no sentido de formar e favorecer a inserção dos filhos de Carlos e Nancy na administração da empresa. Até recentemente a empresa continuava sob a presidência da família Sanches.

Imagina-se que ainda outras empresas familiares brasileiras devam ser estudadas, para que os resultados ajudem a definir os melhores caminhos para as sucessões e a sobrevivência.

Referências:

COLEMAN, Donald. “History, economic history and the numbers game”. In: The Historical Journal, v. 38, no 3. Sep. 1995, p. 635-46. Cambridge University Press.
COSTA, Armando Dalla. “Sadia e Perdigão: diferentes trajetórias administrativas nas empresas familiares”. In: COSTA, Armando D., FERNANDES, Adriana S. e SZMRECSÁNYI, Tamás (orgs.). Empresas, empresários e desenvolvimento econômico no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1998, p. 205-26.
GERSICK, Kelin, DAVIS, John, HAMPTON, Marion McCollom e LANSBERG, Ivan. De Geração para geração: ciclos de vida das empresas familiares. São Paulo: Negócio Editora, 1998.
GRAS, Norman. S. B. “Questions and Answers in Business History”. In: Bulletin of the Business Historical Society, V. 20, 1, Feb. 1946, p. 25-27.
NEGRI, Barjas. Política nacional de assistência farmacêutica: 1990 a 2002. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2002.

2 comentários

  1. ótima postagem…as empresas familiares em sua maioria era de imigrantes.Temos a Gessy Lever atual da Familia Millani, e hoje é a Unilever..a propria empresa que temos ainda hoje com 65 anos é familiar..Parabéns Prof Fernando

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s