Carlos Gomes no Teatro Alla Scala de Milão, Itália

Carlos Gomes, the brazilian star of Alla Scala Theater, Milan, Italy.

Sérgio Eduardo Montes Castanho – professor de História da Educação na UNICAMP. Titular da Cadeira 35 do IHGG Campinas.

Briefly, the author describes the important Museum add to the Alla Scala Theater. He joys at finding the bust of Carlos Gomes between others composers.

Quem ler o título acima talvez se enfade e desabafe: outra vez? De fato, já se gastaram resmas e mais resmas de papel e hectolitros de tinta para narrar os feitos do compositor operista campineiro Antônio Carlos Gomes, no afamado teatro milanês Alla Scala. Mas sosseguem os afoitos. Não vou escrever uma palavra sequer sobre as performances operísticas do Tonico de Campinas no palco do norte da Itália. Vou apenas descrever o que vi em visita recente (maio de 2019) a esse magnífico teatro e, especialmente, ao museu que ocupa áreas importantes da casa de espetáculos.

O saguão de entrada do Scala é feericamente iluminado e lindo na sua decoração clássica. Por uma porta à frente desse saguão entrei numa frisa e pude observar, por alguns momentos, todo o interior do teatro, o palco, o fosso da orquestra, os camarotes, as frisas, a galeria, a plateia – tudo me trazendo à memória o lindo Teatro Municipal de Campinas, tristemente demolido há mais de meio século. Muito parecidos! Aliás, os teatros em estilo clássico, os municipais de São Paulo e do Rio de Janeiro, por exemplo, são muito semelhantes ao Alla Scala.

Nessa observação tive a sorte de ver e ouvir um pouco de uma ópera de Mozart que estava sendo encenada. Maravilha pura!

Placa Scala Milão_Fotor

Placa na fachada do teatro indicando o museu e a biblioteca do Scala.

Saindo dali, dirigi-me ao museu, onde me esperavam intensas emoções, estéticas e de sentimento. Sobre uma mesa de honra pousavam os bustos em bronze de todos os principais operistas italianos, cujas obras foram levadas no Alla Scala: Verdi, Puccini, Rossini e enorme galeria. Ali, nesse local de honra do Museu apenas um estrangeiro. Quem? Wagner, o gênio alemão de Tristão e Isolda? Mozart, Beethoven, quem? Parece incrível, mas o único bronze de estrangeiro sobre essa mesa era o do brasileiro Antônio Carlos Gomes, o nosso Tonico de Campinas.

Nas paredes, pendurados, havia quadros a óleo com retratos de outros compositores italianos e estrangeiros insignes; sobre pedestais, bronzes de compositores e cantores líricos, como Caruso; um dos quadros era o da soprano Tebaldi, que impressionava pela beleza da cantora, tão linda quão virtuose.

Mas bronze de estrangeiro na mesa de honra só o de Carlos Gomes!

Busto Carlos Gomes no Scala

Busto em bronze de Carlos Gomes na mesa de honra do museu do teatro Alla Scala: único compositor operista estrangeiro nesse ponto de realce.

Também me chamou a atenção um quadro pendurado em uma das paredes do museu, retratando a fachada do Teatro Alla Scala por volta de sua inauguração. A tela era assinada por Angelo Inganni e tinha por título Facciata del Teatro Alla Scala. Data: 1852. Uma linda obra.

Fachada do Scala Milão_Fotor

Fachada do teatro Alla Scala de Milão, retratada em 1852 por Angelo Inganni.

Depois dessa emocionante incursão, saí para o ar livre da fria primavera do norte italiano. A emoção da visita foi tão intensa quanto, dias mais tarde, a de percorrer o teatro grego de Siracusa, no sul da Itália, na bela Sicília. A grande diferença é que este era de dois milênios antes e nele jamais se apresentou nenhum brasileiro, até porque Brasil não existia…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s