Sensibilidades da quarentena: Saudade doída

Nota do editor: inaugura-se essa série de postagens, apenas aos domingos, para que os nossos leitores possam expor seus sentimentos desse período de confinamento social por razão do COVID-19, e que nos impede a confraternização habitual, de encontros e reuniões presenciais. Poemas, contos, crônicas, enfim qualquer criação literária que expresse sua emoção durante as condições atuais de convivência. O espaço se abre com um poema da escritora e poetisa, co-fundadora do IHGG Campinas.

Quarentine feelings: The nostalgic aching.

Ivanilde Baracho de Alencar – escritora, poetisa. Sócia fundadora e emérita. Titular da Cadeira 10 do IHGG Campinas.

Saudade doída

Há uma saudade doída
que machuca o coração.
Tornou-se ela insistente
nesta dura ocasião.

O coronavírus trouxe
uma distância triste
das pessoas que amamos.
A dor é grande e persiste…

Ela machuca a vida,
deixa o coração partido,
tudo perdeu seu encanto,
de sonhos… Não há sentido…

A saudade invadiu
e ficou a dominar
os dias, horas, minutos.
O que nos resta é rezar.

Pedir a Deus que nos traga
saúde e felicidade,
alegria de viver,
a paz e a tranquilidade.

Imagem de Igor Ovsyannykov por Pixabay

Um comentário

  1. Justamente por esse periodo de incertezas que ora passamos; é primordial a solidariedade, a presença dos amigos, mesmo pela nova tecnologia, para que não se rompam esses laços de solidariedade. Parabéns! !!!!!!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s