Carlos Gomes Musicando o Brasil

Carlos Gomes Musicing the Brazil.

Por Regina Márcia Moura Tavares – antropóloga, professora. Titular da Cadeira Nº 25 do IHGG Campinas.

Neste mês de setembro de 2018, em que mais uma vez prestaremos homenagens ao grande músico campineiro Antônio Carlos Gomes, eu quero parabenizar o grupo de abnegados e apaixonados pela Cultura de Campinas que, ao chamado da Secretaria de Cultura da municipalidade, a cada ano, não mede esforços para organizar um programa de atividades que faça jus à memória do Tonico de Campinas, mesmo com as dificuldades financeiras por que vem passando as entidades que representam na Comissão Carlos Gomes.

Infelizmente, a Cultura, em sua total abrangência, não tem sido prioridade das administrações públicas nas últimas décadas em nosso país! Provavelmente, deva-se isto a não termos aprendido a valorizar nossa riquíssima e variada produção local, a explosão de criatividade que o caldo da mistura étnica nos proporcionou e a entendermos a Cultura, na maior parte das vezes, somente enquanto a Expressão Artística que a Europa burguesa nos legou. Interessamo-nos pouco pela nossa história, conhecemos quase nada a respeito da trajetória de nossas cidades, dos sacrifícios feitos por gerações, dos valorosos heróis que, muitas vezes, dão nome às nossas ruas ou se espalham em monumentos pelos jardins.

Carlos Gomes, campineiro, o maior compositor operístico das Américas do século XIX, morreu há 122 anos em Belém, no Pará. Com exceção do nome, da foto e da protofonia do Guarani, dele nossa gente conhece muito pouco. Num primeiro momento, foi desdenhado pelos partidários da República nascente (1889), devido à sua eterna gratidão e fidelidade ao Imperador D. Pedro II, que sempre o apoiou, pois os proprietários de terras e de escravos de Campinas e arredores, então republicanos, estavam aborrecidos com o Império que proclamara a abolição da escravatura, fonte de suas riquezas. Pela mesma fidelidade ao imperador recusou-se a compor o hino da República. Mais tarde, continuou esquecido pela repulsa que o Movimento Modernista de 22, na sua busca pela brasilidade, teve por toda Arte que refletisse influência européia, caso de suas óperas.

Desde cedo Carlos Gomes revelou talento musical e estudou música com o pai, Manuel José Gomes, músico de excelente formação. Sua primeira aparição em público deu-se aos 10 anos, como integrante da Banda Marcial, sob a regência do seu pai. Estudou violino e piano, produzindo entre os 11 e 14 anos suas primeiras músicas. Bem jovem, com o irmão José Pedro de Sant’Anna Gomes violinista já conhecido na região, apresentou em salões e fazendas vizinhas suas modinhas, mazurcas e valsas.

Sabe-se que as Modinhas já animavam os salões da corte portuguesa durante o reinado de D. Maria I. Lírica e sentimental, acompanhada pelo piano e o cravo, inicialmente, e depois também pelo violão, expressava musicalmente as coisas de amor. Quem Sabe, composta em 1859 quando Carlos Gomes transferiu-se para São Paulo juntamente com o irmão, atesta o caráter brasileiro da composição gomesiana desse período.

Certamente, a estada em São Paulo, o contato com os estudantes da Faculdade de Direito do Largo São Francisco para quem compôs o Hino à Mocidade Acadêmica, com poetas e figuras proeminentes em saraus literários e musicais e com a maçonaria ampliaram seus horizontes e o retorno à provinciana Campinas não mais lhe agradou, apesar da saudade, tão bem externada na modinha acima citada.

Sem sombra de dúvida, a experiência paulistana ofereceu a Carlos Gomes a oportunidade de adentrar ao nacionalismo musical que começava a se consolidar em diversos países da Europa e, também, no Brasil. Expressando a linguagem específica de cada nação, o nacionalismo crescente na Alemanha, Hungria, Polônia, Tchecoslováquia, Finlândia, Espanha e outros via como ilusório um mundo uno, principalmente sob o domínio de poucas nações (Áustria e Rússia). As polonaises e mazurcas de Chopin, bem como os temas populares musicados por Bartók exemplificam esse nacionalismo que canta a pátria oprimida.

No Brasil, o nacionalismo musical deu-se através de um progressivo contato estético do folclórico com o erudito, a partir das grandes transformações estruturais por que passou a sociedade brasileira, a partir da Independência. Os movimentos liberais e abolicionistas foram, aos poucos, diminuindo as distâncias sociais e a visão etnocêntrica em relação à cultura europeia.

O jovem Carlos Gomes, embora natural de uma Campinas escravagista, respirando os novos ares musicou, também, o país em que nasceu, com sua mescla de grupos étnicos, já nos meados do século XIX. Buscou uma linguagem própria e expressiva de seu povo, pondo em música “a arte que já está feita na inconsciência do povo”, no dizer de Mário de Andrade. Suas inúmeras Canções espelham a alma brasileira e constituem parte importante da produção musical nacionalista. Nas Modinhas e outros gêneros ligados às suas raízes, nosso grande compositor mostrou o valor da autoria de um mestre! Em suas óperas posteriores os temas brasileiros ainda se fizeram presentes, muitas vezes, mas a escrita musical já se tornou mais europeia, para maior satisfação das plateias.

Sabe-se, hoje, que coube a Carlos Gomes a primeira obra musical inspirada em fontes populares, Cayumba, e não a Brasílio Itiberê da Cunha, pois sua composição data de 1857 enquanto a “Sertaneja” de Brasílio é de 1869.

A Cayumba é uma dança de negros que faz parte de “Quilombo”, uma pequena suíte composta de cinco partes, na qual o nosso grande compositor mulato rende sua homenagem aos Quilombos existentes, em sua época, na região de Campinas. Usando títulos alusivos à cultura dos escravos ele mescla a tradição folclórica, o nativismo e a urbanidade, produzindo uma peça própria da estética nacionalista.

Vale a pena ouvir esta alegre suíte executada pelo pianista Fernando Lopes, gravada em 1980, pela Funarte, sob o título O Piano Brazileiro de Carlos Gomes!

carlos gomes

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s